facebook

22/07/2021

Frutas, castanhas e verduras nativas do Brasil estão em nova lista de espécies da sociobiodiversidade com valor alimentício

São considerados produtos da sociobiodiversidade os bens e serviços gerados a partir de recursos da biodiversidade, voltados à formação de cadeias produtivas de interesse dos povos e comunidades tradicionais e de agricultores familiares.


pixabayOs Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Meio Ambiente (MMA) publicaram, nesta quinta-feira (22), a Portaria Interministerial nº 10, que institui uma nova lista com 94 espécies nativas da sociobiodiversidade de valor alimentício, para fins de comercialização in natura ou de seus derivados, no âmbito das políticas públicas de estímulo à agricultura familiar.

A lista contém frutas, castanhas e verduras nativas do Brasil cuja comercialização é permitida no contexto das operações realizadas pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), pela Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPMBio), pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e outras políticas públicas que demandem informações semelhantes.

“A publicação da portaria, com a inclusão de novos produtos da sociobiodiversidade para uso alimentício, possibilita a oferta diversificada de produtos sustentáveis que podem atender os mercados institucionais e privados, gerando renda e assegurando a qualidade de vida dos povos e comunidades tradicionais e agricultores familiares”, destaca o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo, César Halum.

Babaçu, bacuri, buriti, jambu, macaúba e tucumã, espécies mapeadas pelo  projeto ArticulaFito, uma parceria entre Mapa e Fiocruz, estão na lista, junto a outras plantas citadas nas oficinas de mapeamento realizadas pela iniciativa e cultivadas por agricultores familiares, povos indígenas e comunidades tradicionais, como quilombolas e quebradeiras de coco.

São considerados produtos da sociobiodiversidade os bens e serviços (produtos finais, matérias-primas ou benefícios) gerados a partir de recursos da biodiversidade, voltados à formação de cadeias produtivas de interesse dos povos e comunidades tradicionais e de agricultores familiares. Promovendo a manutenção e valorização de suas práticas e saberes, assegurando direitos, gerando renda e proporcionando a melhoria da qualidade de vida e do ambiente em que vivem.

A Portaria nº 10 entrará em vigor no dia 2 de agosto. Com essa nova publicação, fica revogada a Portaria nº 284, de 30 de maio de 2018, que tratava do tema.

Informações à Imprensa
[email protected]

Fonte: MAPA

NOTÍCIAS

15/09/2021

Controle de fornecedores em serviços de alimentação

A preocupação com a produção de um alimento seguro e de qualidade inicia-se na escolha dos fornecedores para aquisição de matérias-primas e serviços.

13/09/2021

Novos procedimentos de registro de estabelecimentos de POA

Objetivo é simplificar e harmonizar os requisitos documentais e dos procedimentos, incluindo os estabelecimentos agroindustriais de pequeno porte.

11/09/2021

Coleta de amostra em serviços de alimentação

A coleta diária de amostras de alimentos preparados tem como objetivo esclarecer a ocorrência de doenças transmitidas por alimentos.

10/09/2021

Portaria traz critérios para destinação de leite e derivados que descumprem padrões regulamentares

O objetivo é garantir a qualidade do produto para o consumidor.

02/09/2021

Rotulagem nutricional de alimentos

A nova rotulagem nutricional começa a valer apenas em 2022, no qual traz mudanças na rotulagem nutricional frontal e na tabela nutricional.

31/08/2021

Consulta pública sobre plano para agricultura de baixo carbono

Os interessados poderão enviar as sugestões para construção das metas e eixos de atuação do ABC+

16/08/2021

Consulta pública sobre credenciamento de entidades de pesquisa com defensivos agrícolas

As sugestões podem ser enviadas pelo prazo de 60 dias.

16/08/2021

Portaria estabelece critérios para a Certificação Voluntária dos produtos de origem vegetal

Com a mudança, o Brasil estará apto a emitir a Certificação OCDE, o que pode facilitar a entrada em mercados exigentes.